Artigos

Aplicação de Materiais

Onde e Como Aplicar os Materiais de Impermeabilização

A base para receber uma impermeabilização deve ser plana e bem regularizada, com o controle da granulometria dos agregados. Deve-se ter em mente o seguinte postulado:

“Entre dois pontos quaisquer de uma reta sempre existem vários pontos”, assim, entre dois grãos de areia de tamanho certo sempre existem vários grãos de tamanhos incertos.

MATERIAIS IMPERMEÁVEIS RÍGIDOS

(Argamassas e Pós aditivados)

Aplicações:

– Em muros de arrimo

– Em estruturas armadas de confinamento de subsolos

– Em paredes armadas, paredes diafragmas, etc.

Etapas:

w Eliminar totalmente a poeira, as graxas, os elementos soltos, os desmoldantes das superfícies citadas aplicando jatos de areia, jatos d’água; ou fazer apicoamento; ou escovar com escovas de aço, fortemente.

w Vistoriar a área e verificar os locais onde houver ninhos e ferragens expostas atacadas pela pilha corrosiva.

w Para se recuperar os ninhos usam-se argamassas industrializadas, compostas com aditivos expansores e cola sintética, que promovem a perfeita aderência ao concreto bichado, sem retrações. No caso das ferragens expostas, após a eliminação da pilha corrosiva, deve-se proteger o ferro com uma pintura betuminosa composta com elastômero e amianto, cuja sensibilidade térmica seja de -15º a + 90ºC.

MATERIAIS IMPERMEÁVEIS EM SUSPENSÃO AQUOSA OU À BASE DE SOLVENTES POLARES

Aplicações:

– Nas áreas de serviço

– Nas lajes de cozinhas e banheiros

– Nos paramentos dos banheiros

– Nas uniões entre lajes e paredes hidráulicas

– Nas paredes em compressão dos muros de arrimo e dos que confinam os subsolos (proteção contra água de percolação e capilaridade)
Etapas:

w As superfícies devem estar isentas de poeira e elementos soltos, e apresentando uma “cara” camurçada e porosa, conseguida usando-se um traço de cimento/areia, sendo a granulometria da areia, 50% de 0.5 a 1 mm e os outros 50% de 2.5 a 3 mm.

w A aplicação do impermeabilizante em suspensão pode ser feita com os seguintes métodos e ferramentas:

– Quando a suspensão for uma emulsão asfáltica aniônica ou noiônica, pode ser derramada sobre a superfície e espargida com um rodo de borracha, ou ainda com trincha, vassoura, etc.

– Quando a suspensão for à base de solventes polares, recomenda-se que a aplicação seja feita por trincha ou broxa em faixas sucessivas e com os devidos cuidados contra incêndios e intoxicação dos trabalhadores.

Obs.: Devemos ter em conta que estas lajes são internas e normalmente não sofrem movimentos por diferença de temperatura e que também as águas jogadas sobre elas são transitórias.

MATERIAIS INDUSTRIALIZADOS – MANTAS IMPERMEÁVEIS

São produtos compostos de asfaltos e elastômeros que, por interação, transformam as massas em macromoléculas, para serem calandradas em forma de mantas (lençóis). A intercalação de filmes (armaduras) plásticos entre a massa, permite o trânsito dos asfaltos compostos entre eles. Assim originou-se a industrialização da monocapa, com camada de berço e camada de amortecimento, facilitando o transporte, o controle das espessuras e ensejando sua aplicação nas obras com melhor qualidade e melhor desempenho, pois podem ser aquecidas e resfriadas sem alterar suas propriedades. São chamadas de mantas asfálticas termoplásticas.

Aplicações:

As mantas asfálticas termoplásticas acompanham facilmente o momento estrutural. Por serem termoplásticas não se opôem às forças de tração, por conseguinte, à movimentação dos elementos estruturais, mesmo sob elevada compressão e tração, sem perderem suas propriedades, mesmo quando solicitadas abruptamente. Por isso, podem ser aplicadas sobre pequenas trincas e rachaduras das estruturas, vedando, impermeabilizando e protegendo contra a corrosão, com segurança, as fendas e poros dos materiais, além de facilitarem os arremates das diversas geometrias que a construção civil oferece. A emenda das mantas, por solda autógena da macromolécula, é mais eficaz, segura e de rápida execução, não deixando margem de erro, e aceita carga de compressão sobre elas de até 70 kgf/cm2. Por estes desempenhos, as mantas termoplásticas são recomendadas nas impermeabilizações de subsolos, poços de elevadores, lajes de coberturas, paredes submersas, piscinas, caixas d’água, tanques, canais de irrigação, tabuleiros de viadutos, etc.